ÚLTIMASNOTÍCIAS

Enxaqueca afeta 15 a cada 100 brasileiros e está associada a problemas emocionais

17

jun

Enxaqueca afeta 15 a cada 100 brasileiros e está associada a problemas emocionais

A dor de cabeça é uma condição que abrange mais de 200 tipos de dor, sendo mais predominante entre elas a enxaqueca, uma desordem cerebral na qual os neurônios ou células cerebrais respondem de forma irregular a certos estímulos. Esse problema pode vir acompanhado de náuseas, sensibilidade à luz e ao som, e costuma acometer 15 a cada 100 brasileiros, o que equivale a 30 milhões de pessoas.

Sabe-se que 82% dos brasileiros que possuem enxaqueca sofrem com o impacto social das dores, de acordo com o estudo My Migraine Voice, feito pela farmacêutica Novartis juntamente com a Aliança Europeia para Enxaqueca e Cefaleia. Foram entrevistadas 11.266 pessoas de 31 países diferentes, onde 851 delas eram brasileiras.

Pôde-se concluir que 56% das pessoas não efetuam todas as suas atividades diárias e hobbies, 30% não conseguem praticar atividades físicas e mais de 50% se sentem incapacitadas de frequentar eventos sociais. Para 72% dos respondentes ainda, a doença também prejudica seus relacionamentos amorosos, e para 56% a condição afetou a vida sexual.

Outros dados afirmam que dentre a quantidade de participantes da pesquisa, 80% desse público apresenta dificuldade para dormir, se sente depressivo ou incompreendido. 74% revelou ficar cerca de 19 horas por mês no escuro devido à enxaqueca, e 57%, por sua vez, abordaram que ao aprender a lidar com o quadro, tornaram-se pessoas mais fortes.

O quadro é a sexta enfermidade mais incapacitante no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde. No Brasil, 42% do público pesquisado relaciona a enxaqueca com a depressão e 20% apresenta baixa autoestima. Mas, além disso, a doença também afeta as atividades laborais de seus portadores, visto que 45% dos brasileiros afirmam ter diminuição no desempenho e 17% atestam faltar ao trabalho por conta da enxaqueca.

A doença requer tratamento específico e o neurologista deve ser consultado brevemente aos primeiros sinais da enxaqueca.

Para saber mais sobre esse estudo, acesse:

https://thejournalofheadacheandpain.biomedcentral.com/articles/10.1186/s10194-018-0946-z

Postado por:

Instituto Neurológico